Todo final de mês, os investidores que obtiveram lucro na Bolsa de Valores devem emitir um DARF para pagar os impostos devidos. O procedimento é incômodo, mas relativamente simples. Todo ganho obtido com a venda de ações em um mês é taxado em 15% pelo fisco. O investidor só não precisa pagar se acumulou perdas no passado ou se vendeu menos de 20 mil reais no mês.


Todos os investidores que especulam na Bolsa deveriam saber quando têm de pagar imposto e quando não. Em particular, deveriam vender menos de 20 mil reais sempre que possível. No entanto, muitos investidores desatentos deixam de aproveitar essa oportunidade.

Em um estudo que escrevi com alguns colegas, encontramos um número grande de investidores que vendem pouco mais do limite de 20 mil reais e acabam pagando um imposto que poderia ser evitado. Esses investidores foram desatentos na hora de vender. Deveriam ter lembrado do limite e vendido um pouco abaixo dele, evitando a mordida sobre seus lucros.

Até aí, nada demais. Quem nunca cometeu um pequeno deslize? O curioso é que esse pequeno deslize acaba revelando bastante sobre outras decisões do investidor, que não têm a ver com questões tributárias. No estudo, mostramos que o investidor desatento sofre mais com vieses comportamentais e apresenta uma performance futura pior, mesmo considerando-se uma série de variáveis que inclui conhecimento e experiência prévia na Bolsa. Esse é o primeiro trabalho a utilizar dados reais de Bolsa para relacionar desatenção com vieses comportamentais.

Vieses comportamentais são “pegadinhas” impostas pela realidade. Nosso sistema cognitivo costuma dar dois tipos de respostas: uma rápida, intuitiva, e outra lenta, ponderada. Para grande parte dos problemas que enfrentamos, a resposta intuitiva está correta. Para os outros, está errada; precisamos de muita atenção para perceber isso, parar e pensar antes de dar a resposta correta.

O mercado financeiro está cheio dessas pegadinhas. Se não pensar com calma e responder com cuidado, o investidor vai cair nelas. Por isso, fique atento e veja se não está pagando mais impostos do que deveria. Nesse processo, é possível que você descubra também que é suscetível a vieses comportamentais e está cometendo outros erros mais graves de investimento.

COLUNA PUBLICADA NA FOLHA DE SÃO PAULO

Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.


Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!


Aos investidores desatentos

Todo final de mês, os investidores que obtiveram lucro na Bolsa de Valores devem emitir um DARF para pagar os impostos devidos. O procedimento é incômodo, mas relativamente simples. Todo ganho obtido com a venda de ações em um mês é taxado em 15% pelo fisco. O investidor só não precisa pagar se acumulou perdas no passado ou se vendeu menos de 20 mil reais no mês.


Todos os investidores que especulam na Bolsa deveriam saber quando têm de pagar imposto e quando não. Em particular, deveriam vender menos de 20 mil reais sempre que possível. No entanto, muitos investidores desatentos deixam de aproveitar essa oportunidade.

Em um estudo que escrevi com alguns colegas, encontramos um número grande de investidores que vendem pouco mais do limite de 20 mil reais e acabam pagando um imposto que poderia ser evitado. Esses investidores foram desatentos na hora de vender. Deveriam ter lembrado do limite e vendido um pouco abaixo dele, evitando a mordida sobre seus lucros.

Até aí, nada demais. Quem nunca cometeu um pequeno deslize? O curioso é que esse pequeno deslize acaba revelando bastante sobre outras decisões do investidor, que não têm a ver com questões tributárias. No estudo, mostramos que o investidor desatento sofre mais com vieses comportamentais e apresenta uma performance futura pior, mesmo considerando-se uma série de variáveis que inclui conhecimento e experiência prévia na Bolsa. Esse é o primeiro trabalho a utilizar dados reais de Bolsa para relacionar desatenção com vieses comportamentais.

Vieses comportamentais são “pegadinhas” impostas pela realidade. Nosso sistema cognitivo costuma dar dois tipos de respostas: uma rápida, intuitiva, e outra lenta, ponderada. Para grande parte dos problemas que enfrentamos, a resposta intuitiva está correta. Para os outros, está errada; precisamos de muita atenção para perceber isso, parar e pensar antes de dar a resposta correta.

O mercado financeiro está cheio dessas pegadinhas. Se não pensar com calma e responder com cuidado, o investidor vai cair nelas. Por isso, fique atento e veja se não está pagando mais impostos do que deveria. Nesse processo, é possível que você descubra também que é suscetível a vieses comportamentais e está cometendo outros erros mais graves de investimento.

COLUNA PUBLICADA NA FOLHA DE SÃO PAULO

Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Avalie esse texto Não é necessário cadastro

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
Impostos causam inflação?

Impostos causam inflação?

Por que e como descarbonizar a economia

Por que e como descarbonizar a economia

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.