Quando um navio atravessa uma tempestade, os solavancos provocam enjoos nos passageiros desacostumados com as agruras do oceano, mas a tripulação deve se manter firme para conduzir a embarcação para águas mais tranquilas.

Para evitar o pânico, o capitão pode se pronunciar pelos alto-falantes, assegurando aos passageiros que a tempestade passará e, no dia seguinte, o café da manhã será servido no horário de sempre.

A economia brasileira enfrenta no momento alto risco de tempestades.
A maioria dos especialistas concorda sobre a forma de fazer esse ajuste: ele deve consistir em um corte vigoroso nos gastos com aposentadorias e pensões, pontos em que o Brasil mais gasta em comparação com outros países. A partir desse diagnóstico, o governo se propôs a aprovar um teto para os gastos públicos e fazer uma reforma da Previdência. Infelizmente, trovoadas ocorreram. O governo obteve sucesso na aprovação do teto dos gastos, mas uma sequência de escândalos tolheu sua legitimidade e impediu que a reforma da Previdência progredisse. Agora estamos esperando o resultado das eleições presidenciais. Em nosso barco, recolhemos as velas e avisamos aos passageiros que o convés vai estar fechado. Alguns candidatos com chances de ganhar as eleições não têm compromisso com o ajuste das contas fiscais. Há até candidato que nega a existência de problemas. Os instrumentos meteorológicos em nosso navio apontam grandes riscos à frente. Neste momento, precisamos de uma voz segura que apresente um plano e nos guie com confiança para longe do pânico. Semana passada, esse foi o contexto da decisão do Banco Central de fixar uma meta de inflação mais baixa, de 3,75%, para 2021. Teremos as eleições, não sabemos quem será nosso próximo presidente, mas a máquina do Estado vai continuar trabalhando para manter a inflação em um nível baixo. É uma meta ambiciosa, há dúvidas se pode ser alcançada se o governo se recusar a fazer o ajuste fiscal necessário. Mas é preciso evitar o pânico. A vida continua, e pode até melhorar. O capitão do navio está preparado. Serão servidos brioches no café amanhã. Que a tempestade não venha!  

Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?, clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter! Inscreva-se no nosso canal no YouTube! E curta as nossas fotos no Instagram :)

Por que cortar a meta de inflação?

Quando um navio atravessa uma tempestade, os solavancos provocam enjoos nos passageiros desacostumados com as agruras do oceano, mas a tripulação deve se manter firme para conduzir a embarcação para águas mais tranquilas. Para evitar o pânico, o capitão pode se pronunciar pelos alto-falantes, assegurando aos passageiros que a tempestade passará e, no dia seguinte, o café da manhã será servido no horário de sempre. A economia brasileira enfrenta no momento alto risco de tempestades.
A maioria dos especialistas concorda sobre a forma de fazer esse ajuste: ele deve consistir em um corte vigoroso nos gastos com aposentadorias e pensões, pontos em que o Brasil mais gasta em comparação com outros países. A partir desse diagnóstico, o governo se propôs a aprovar um teto para os gastos públicos e fazer uma reforma da Previdência. Infelizmente, trovoadas ocorreram. O governo obteve sucesso na aprovação do teto dos gastos, mas uma sequência de escândalos tolheu sua legitimidade e impediu que a reforma da Previdência progredisse. Agora estamos esperando o resultado das eleições presidenciais. Em nosso barco, recolhemos as velas e avisamos aos passageiros que o convés vai estar fechado. Alguns candidatos com chances de ganhar as eleições não têm compromisso com o ajuste das contas fiscais. Há até candidato que nega a existência de problemas. Os instrumentos meteorológicos em nosso navio apontam grandes riscos à frente. Neste momento, precisamos de uma voz segura que apresente um plano e nos guie com confiança para longe do pânico. Semana passada, esse foi o contexto da decisão do Banco Central de fixar uma meta de inflação mais baixa, de 3,75%, para 2021. Teremos as eleições, não sabemos quem será nosso próximo presidente, mas a máquina do Estado vai continuar trabalhando para manter a inflação em um nível baixo. É uma meta ambiciosa, há dúvidas se pode ser alcançada se o governo se recusar a fazer o ajuste fiscal necessário. Mas é preciso evitar o pânico. A vida continua, e pode até melhorar. O capitão do navio está preparado. Serão servidos brioches no café amanhã. Que a tempestade não venha!   Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?, clique aqui e assine a nossa Newsletter.
Siga a gente no Facebook e Twitter! Inscreva-se no nosso canal no YouTube! E curta as nossas fotos no Instagram :)


Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Avalie esse texto Não é necessário cadastro

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
Quão temporária será a subida da inflação global?

Quão temporária será a subida da inflação global?

O que um programa de governo precisa conter?

O que um programa de governo precisa conter?

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.