Trocas internacionais estão associadas a benefícios mútuos aos países envolvidos. O comércio de bens e serviços permite que países se especializem no que fazem melhor, obtenham outros produtos a preços menores e ampliem a variedade de bens disponíveis a seus consumidores. Fluxos de capitais possibilitam acesso a mais fontes de financiamento para empresas, além de oportunidades para que os investidores diversifiquem seu risco.


Não estou dizendo que não há perdedores associados a comércio e fluxo de capitais. Trabalhadores em setores que sofrem com a competição externa são um exemplo disso. Mas, no agregado, o saldo é positivo. Caso contrário, os países simplesmente se isolariam.

Por isso a questão das sanções à Rússia não é tão simples. Do lado dos países ocidentais, cortar laços envolve não apenas impor custos à Rússia, mas também a si próprios. A Europa Ocidental, por exemplo, depende fortemente da importação de petróleo e gás natural russos. Sanções pesadas podem interromper esse fluxo, reduzindo a oferta de combustíveis e energia. Isso deve levar o preço desses itens, que já subiram muito, às alturas.

Para economias que buscam se recuperar dos efeitos nefastos da pandemia e lutam contra uma inflação elevada, não é uma notícia nada boa.

E quanto mais pesadas as sanções eventualmente impostas, maiores os custos para todos os lados – inclusive para quem as impõe. Isso provavelmente torna reticentes os países ocidentais quanto a aplicarem punições severas aos russos.

Os benefícios das sanções são ainda incertos, já que sua aplicação no passado não conseguiu dissuadir o avanço militar russo. Além disso, muito provavelmente não serão suficientes para gerar uma mudança de regime na própria Rússia – haja vista outros casos como Cuba, Irã e Coreia do Norte, acometidos por sanções pesadas, sem mudanças relevantes em seus governos há anos.

Ou seja, o cálculo econômico para países que consideram sanções não é simples: custos altos a si mesmos, com benefícios incertos. Vladimir Putin apostou que os países ocidentais não teriam estômago para encarar essa conta salgada. Aparentemente, ele estava errado.

Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.



Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!







Quais são os custos de sanções à Rússia?

Trocas internacionais estão associadas a benefícios mútuos aos países envolvidos. O comércio de bens e serviços permite que países se especializem no que fazem melhor, obtenham outros produtos a preços menores e ampliem a variedade de bens disponíveis a seus consumidores. Fluxos de capitais possibilitam acesso a mais fontes de financiamento para empresas, além de oportunidades para que os investidores diversifiquem seu risco.


Não estou dizendo que não há perdedores associados a comércio e fluxo de capitais. Trabalhadores em setores que sofrem com a competição externa são um exemplo disso. Mas, no agregado, o saldo é positivo. Caso contrário, os países simplesmente se isolariam.

Por isso a questão das sanções à Rússia não é tão simples. Do lado dos países ocidentais, cortar laços envolve não apenas impor custos à Rússia, mas também a si próprios. A Europa Ocidental, por exemplo, depende fortemente da importação de petróleo e gás natural russos. Sanções pesadas podem interromper esse fluxo, reduzindo a oferta de combustíveis e energia. Isso deve levar o preço desses itens, que já subiram muito, às alturas.

Para economias que buscam se recuperar dos efeitos nefastos da pandemia e lutam contra uma inflação elevada, não é uma notícia nada boa.

E quanto mais pesadas as sanções eventualmente impostas, maiores os custos para todos os lados – inclusive para quem as impõe. Isso provavelmente torna reticentes os países ocidentais quanto a aplicarem punições severas aos russos.

Os benefícios das sanções são ainda incertos, já que sua aplicação no passado não conseguiu dissuadir o avanço militar russo. Além disso, muito provavelmente não serão suficientes para gerar uma mudança de regime na própria Rússia – haja vista outros casos como Cuba, Irã e Coreia do Norte, acometidos por sanções pesadas, sem mudanças relevantes em seus governos há anos.

Ou seja, o cálculo econômico para países que consideram sanções não é simples: custos altos a si mesmos, com benefícios incertos. Vladimir Putin apostou que os países ocidentais não teriam estômago para encarar essa conta salgada. Aparentemente, ele estava errado.

Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Avalie esse texto Não é necessário cadastro

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
Retomada econômica verde e o papel das empresas

Retomada econômica verde e o papel das empresas

Começou o “aperto quantitativo”

Começou o “aperto quantitativo”

Realização

Bei editora

Apoio Institucional

Febraban

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.