A revolução do e-commerce

“Dez anos em três meses” resume bem a revolução que está acontecendo na forma como compramos. Trata-se do crescimento do comércio eletrônico nos Estados Unidos: o crescimento dos últimos três meses teria demorado dez anos se não fosse pelo empurrão da pandemia.

Segundo estudo preparado pela consultoria McKinsey, a penetração do comércio eletrônico no Estados Unidos era de apenas 5% em 2010. Após dez anos, e até antes da pandemia, esse número era de 15%. Ou seja, uma taxa de crescimento anual próxima de 10%. Nesse ritmo, teríamos que esperar quase dez anos para chegar aos 35% de penetração que vemos hoje.

Pelo que indicam os preços das ações de empresas que se dedicam ao e-commerce, essa mudança veio para ficar. A Amazon (AMZN) foi uma das empresas que mais se valorizou na pandemia, e está próxima de se tornar a maior empresa do mundo em valor de mercado – ela vale hoje 1,6 trilhão de dólares. A Walmart (WMT), que já foi a maior empresa do mundo em termos de vendas e faturamento, vale hoje uma fração do que vale a Amazon, 370 bilhões de dólares.

O fenômeno não se resume aos Estados Unidos, é claro. Dentre as cinco maiores empresas negociadas em Bolsa do mundo, figura a gigante chinesa do e-commerce, Alibaba (BABA) – seu valor de mercado supera os 700 bilhões de dólares
Aqui na América Latina, a Mercado Libre (MELI), que tem a sua sede na Argentina, mas que opera em 18 países da região, tornou-se, nesta semana, a empresa mais valiosa da região. Hoje, ela vale 62 bilhões de dólares e deixou para trás a Petrobrás (56 bilhões) e a Vale (49 bilhões).


Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.



Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!





BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
Preços esquisitos

Preços esquisitos

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações clique aqui.