Projeto de lei que pode ser aprovado em breve autoriza o governo a vender seus recebíveis e assim antecipar receita futura.

O que isso quer dizer, como isso funciona?

Digamos que João deva alguma quantia ao governo e o pagamento foi parcelado. Assim como ele, também devem José, Ramiro, Anastácio, Belmira e Antonieta... E também o Gustavo, a Hérica (sim, essa é com H) e milhares de outros brasileiros. Podemos ter alguma confiança que esses parcelamentos vão entrar no cofre do governo. Dado o histórico de pagamento desses devedores, sabemos que certa porcentagem dos pagamentos será feita. Talvez um pouco mais ou um pouco menos, mas algum dinheiro estará lá no dia combinado.



Caso esse projeto de lei entre em vigor, o governo poderá vender o direito de receber as parcelas de José, Ramiro, Hérica, da turma toda. Se esse pessoal não pagar a dívida que fez, e que o governo vendeu na forma de título, quem comprou o papel perde; se mais devedores do que o esperado pagarem em dia, ponto para o comprador do título, que sai ganhando.

E qual o problema?

Em termos econômicos, esse tipo de transação não difere muito de o governo emitir dívida, como já faz para se financiar quando não tem grana em caixa. Quem toma a opção de fazer dívida compromete, para pagar credores em dia, uma quantia fixa da receita futura. Ao vender recebíveis, o governo faz exatamente isso: compromete a sua receita futura.

O jargão que batiza essa ideia é securitização de recebíveis. Mas, na prática, não passa de um jeito alternativo de o governo fazer dívida. Como solução para a crescente dívida pública, equivale a uma garrafa de uísque aberta ao alcance do alcoólatra que faz juras de sobriedade...

Governo, por que outro modo de se endividar?

Projeto de lei que pode ser aprovado em breve autoriza o governo a vender seus recebíveis e assim antecipar receita futura. O que isso quer dizer, como isso funciona? Digamos que João deva alguma quantia ao governo e o pagamento foi parcelado. Assim como ele, também devem José, Ramiro, Anastácio, Belmira e Antonieta... E também o Gustavo, a Hérica (sim, essa é com H) e milhares de outros brasileiros. Podemos ter alguma confiança que esses parcelamentos vão entrar no cofre do governo. Dado o histórico de pagamento desses devedores, sabemos que certa porcentagem dos pagamentos será feita. Talvez um pouco mais ou um pouco menos, mas algum dinheiro estará lá no dia combinado. Caso esse projeto de lei entre em vigor, o governo poderá vender o direito de receber as parcelas de José, Ramiro, Hérica, da turma toda. Se esse pessoal não pagar a dívida que fez, e que o governo vendeu na forma de título, quem comprou o papel perde; se mais devedores do que o esperado pagarem em dia, ponto para o comprador do título, que sai ganhando. E qual o problema? Em termos econômicos, esse tipo de transação não difere muito de o governo emitir dívida, como já faz para se financiar quando não tem grana em caixa. Quem toma a opção de fazer dívida compromete, para pagar credores em dia, uma quantia fixa da receita futura. Ao vender recebíveis, o governo faz exatamente isso: compromete a sua receita futura. O jargão que batiza essa ideia é securitização de recebíveis. Mas, na prática, não passa de um jeito alternativo de o governo fazer dívida. Como solução para a crescente dívida pública, equivale a uma garrafa de uísque aberta ao alcance do alcoólatra que faz juras de sobriedade...
Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Tags do post:

Dívida Pública
Avalie esse texto Não é necessário cadastro

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
Quão temporária será a subida da inflação global?

Quão temporária será a subida da inflação global?

O que um programa de governo precisa conter?

O que um programa de governo precisa conter?

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.