Na luta pela redução da desigualdade de gênero, todo avanço deve ser comemorado – com cautela. Há muito que se avançar ainda, mas não podemos deixar de destacar as boas notícias, por mais que elas não indiquem tanto quanto pode parecer à primeira vista.

Vamos aos fatos: o Brasil se destacou em um importante indicador de igualdade de gênero: o de número de artigos publicados por mulheres em dois períodos (1996/2000 e 2001/2015), relativamente ao número publicado por homens. A pesquisa foi feita pela editora Elsevier, que analisou as publicações de artigos acadêmicos ao longo dos últimos 20 anos, com foco no desempenho de homens e mulheres.

São vários os indicadores analisados e 12 as regiões/países que compõem a amostra: Estados Unidos, Europa, Reino Unido, Canadá, Austrália, França, Brasil, Japão, Dinamarca, Portugal, México e Chile.

Objetivo da pesquisa: jogar luz sobre indicadores de produção de artigos nas áreas de ciências, tecnologia, engenharia e matemática e, assim, identificar ações que possam melhorar os indicadores de desigualdade de gênero nesse campo. Invariavelmente, essa desigualdade se reflete em menores promoções e salários e menos oportunidades profissionais para mulheres.

Os resultados para o período 2011-2015 são bastante animadores quando comparados com o anterior. Em particular, no indicador que mede a produção acadêmica de mulheres, a proporção de mulheres pesquisadoras cresceu ao longo do tempo. Em 9 dos 12 países/regiões analisados, as mulheres já representam mais de 40% dos pesquisadores. Se comparamos com o período anterior, de 1996 e 2000, apenas Portugal tinha esse nível de representatividade feminina.

Os números do Brasil se destacam. Ainda no indicador de representatividade, as pesquisadoras brasileiras representam 49% do total, uma elevação de 11 pontos porcentuais em relação ao período anterior. Esse número nos coloca, juntamente com Portugal, no primeiro lugar.

Mas nenhum outro país nos supera em crescimento no número de pesquisadoras em relação ao número anterior: já somos quase 80 mil profissionais; e não éramos nem 30 mil no período analisado anterior. Pontos para nós duas vezes: cresceram o número de mulheres pesquisadoras e também no total, somando ambos os gêneros.

Nada mal, não?

Não.

Embora os números dessa pesquisa sejam em geral positivos, ainda há um longo caminho a ser percorrido. A Unesco apresenta dados de 2015 que mostram que as mulheres representam apenas 28% dos pesquisadores do mundo. Outras evidências sugerem persistência na desigualdade de gênero em critérios como produtividade e avanço na participação das mulheres na comunidade científica. Indicadores como impacto da pesquisa, nível de colaboração entre pesquisadores e grau de colaboração internacional mostram que há ainda muito o que avançar na direção da igualdade de gênero e, portanto, na igualdade de oportunidades.

As mulheres ainda sofrem os efeitos de séculos de discriminação, em que o acesso à educação foi restrito e o engajamento em atividades fora de casa era mal visto. Persiste um forte componente cultural que associa as mulheres a atividades específicas e à falta de mobilidade. Esses aspectos, presentes mesmo nas sociedades mais avançadas, pune as mulheres e as coloca em desvantagem em relação aos homens. Isso sem falar nas atrocidades que as mulheres ainda sofrem em países mais atrasados, onde a violência contra a mulher, discriminações descabidas e desumanidades de toda ordem são legitimadas por leis bárbaras.

Há, portanto, que se celebrar os avanços, mas também buscar ampliá-los. Iniciativas para isso não faltam em todo o mundo. Uma delas tem a chancela da ONU, Organização das Nações Unidas: a meta número 5 das 169 do Programa de Metas para a Promoção do Desenvolvimento Sustentável da entidade é, justamente, a igualdade de gêneros e o empoderamento de mulheres e meninas, apresentados como “não só um direito humano fundamental, mas também a base necessária para um mundo mais próspero, sustentável e com mais paz [...] beneficia a sociedade e a humanidade como um todo.”

Homens e mulheres cientistas estão em pé de igualdade? Mais ou menos

Na luta pela redução da desigualdade de gênero, todo avanço deve ser comemorado – com cautela. Há muito que se avançar ainda, mas não podemos deixar de destacar as boas notícias, por mais que elas não indiquem tanto quanto pode parecer à primeira vista. Vamos aos fatos: o Brasil se destacou em um importante indicador de igualdade de gênero: o de número de artigos publicados por mulheres em dois períodos (1996/2000 e 2001/2015), relativamente ao número publicado por homens. A pesquisa foi feita pela editora Elsevier, que analisou as publicações de artigos acadêmicos ao longo dos últimos 20 anos, com foco no desempenho de homens e mulheres. São vários os indicadores analisados e 12 as regiões/países que compõem a amostra: Estados Unidos, Europa, Reino Unido, Canadá, Austrália, França, Brasil, Japão, Dinamarca, Portugal, México e Chile. Objetivo da pesquisa: jogar luz sobre indicadores de produção de artigos nas áreas de ciências, tecnologia, engenharia e matemática e, assim, identificar ações que possam melhorar os indicadores de desigualdade de gênero nesse campo. Invariavelmente, essa desigualdade se reflete em menores promoções e salários e menos oportunidades profissionais para mulheres. Os resultados para o período 2011-2015 são bastante animadores quando comparados com o anterior. Em particular, no indicador que mede a produção acadêmica de mulheres, a proporção de mulheres pesquisadoras cresceu ao longo do tempo. Em 9 dos 12 países/regiões analisados, as mulheres já representam mais de 40% dos pesquisadores. Se comparamos com o período anterior, de 1996 e 2000, apenas Portugal tinha esse nível de representatividade feminina. Os números do Brasil se destacam. Ainda no indicador de representatividade, as pesquisadoras brasileiras representam 49% do total, uma elevação de 11 pontos porcentuais em relação ao período anterior. Esse número nos coloca, juntamente com Portugal, no primeiro lugar. Mas nenhum outro país nos supera em crescimento no número de pesquisadoras em relação ao número anterior: já somos quase 80 mil profissionais; e não éramos nem 30 mil no período analisado anterior. Pontos para nós duas vezes: cresceram o número de mulheres pesquisadoras e também no total, somando ambos os gêneros. Nada mal, não? Não. Embora os números dessa pesquisa sejam em geral positivos, ainda há um longo caminho a ser percorrido. A Unesco apresenta dados de 2015 que mostram que as mulheres representam apenas 28% dos pesquisadores do mundo. Outras evidências sugerem persistência na desigualdade de gênero em critérios como produtividade e avanço na participação das mulheres na comunidade científica. Indicadores como impacto da pesquisa, nível de colaboração entre pesquisadores e grau de colaboração internacional mostram que há ainda muito o que avançar na direção da igualdade de gênero e, portanto, na igualdade de oportunidades. As mulheres ainda sofrem os efeitos de séculos de discriminação, em que o acesso à educação foi restrito e o engajamento em atividades fora de casa era mal visto. Persiste um forte componente cultural que associa as mulheres a atividades específicas e à falta de mobilidade. Esses aspectos, presentes mesmo nas sociedades mais avançadas, pune as mulheres e as coloca em desvantagem em relação aos homens. Isso sem falar nas atrocidades que as mulheres ainda sofrem em países mais atrasados, onde a violência contra a mulher, discriminações descabidas e desumanidades de toda ordem são legitimadas por leis bárbaras. Há, portanto, que se celebrar os avanços, mas também buscar ampliá-los. Iniciativas para isso não faltam em todo o mundo. Uma delas tem a chancela da ONU, Organização das Nações Unidas: a meta número 5 das 169 do Programa de Metas para a Promoção do Desenvolvimento Sustentável da entidade é, justamente, a igualdade de gêneros e o empoderamento de mulheres e meninas, apresentados como “não só um direito humano fundamental, mas também a base necessária para um mundo mais próspero, sustentável e com mais paz [...] beneficia a sociedade e a humanidade como um todo.”
Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Avalie esse texto Não é necessário cadastro

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
Retomada econômica verde e o papel das empresas

Retomada econômica verde e o papel das empresas

Começou o “aperto quantitativo”

Começou o “aperto quantitativo”

Realização

Bei editora

Apoio Institucional

Febraban

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.