Insistindo no erro

Seria interessante para uma discussão psicanalítica caso não fosse tão grave. Falamos, claro, da Argentina. O novo e democraticamente eleito governo argentino está lançando duas medidas (via decreto) para fazer frente à atual crise econômica: elevar impostos sobre exportações agrícolas e dobrar a multa por demissão pelos próximos seis meses. Não vai ajudar nem um pouco…

Antes de entrarmos nas questões do dia, nos perguntamos: a esta altura do campeonato, depois de décadas de experimentalismos heterodoxos em diversos países espalhados pela América católica sem o mínimo sinal de sucesso, como pode alguém, em sã consciência (entendo que isso possa ser considerado uma hipótese), se dar ao luxo de mais um murro em ponta afiada de faca?

Pois bem, vamos ao tal decreto. Por seis meses, custo de demitir astronômico. Ocorrerão menos demissões? Sim, muito provavelmente. Ocorrerão menos contratações? Sim, obviamente. O empresário que se depara com um custo de demitir mais elevado vai ter muito mais receio de contratar. É verdade que o governo anunciou a intervenção como temporária, com data de vencimento para daqui a 180 dias. Agora me digam, o que acontece com a medida se daqui a 6 meses o desemprego ainda estiver alto e a economia em frangalhos? Como você acha que o empresário argentino responde a essa pergunta? Exato: tchau-tchau, contratações…

Produtores do agronegócio vão ter de engolir o sapo de um aumento de 9 pontos percentuais sobre seus produtos. Isso significa produção menor e preços mais elevados. De modo mais geral, aumentar alíquota de impostos em meio a uma recessão brutal é insano. A literatura econômica mostra isso em uma bateria de artigos publicados em periódicos importantes. O multiplicador do imposto é claramente negativo e elevado.

“Ah, mas e o déficit?” É preciso mesmo lidar com ele, e já, mas não por meio de maiores alíquotas, e sim pela contenção confiável e estrutural de gastos públicos. Macri assumiu prometendo justamente isso. Todos aplaudimos. O ex-presidente, no entanto, seja por falta de apoio, seja por falta de vontade ou convicção ou ainda por interesses menores, optou pelo famigerado empurrar com a pança. Supergradualismos não funcionam em países com track records pouco abonadores na questão fiscal.  

Em suma, já na largada o governo Fernandez começa derrapando. Imagine quando vier a primeira curva sinuosa.







Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.



Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!





Tags do post:

Argentina economia

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
A pandemia do day trade

A pandemia do day trade

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações clique aqui.