Bolsonaro resolveu zerar os impostos federais sobre o diesel e o gás de cozinha. Pelo menos algo de bom saiu desse episódio: as instituições fiscais impuseram a restrição orçamentária, evitando que o populismo fosse financiado à custa das gerações futuras. A Lei de Responsabilidade Fiscal obrigou o executivo a encontrar outras fontes de financiamento, o que será feito em parte com o aumento de impostos sobre o setor financeiro.

Talvez esse seja o único aspecto positivo de tudo isso. Na verdade, as ações do governo são, em larga medida, incompatíveis com o projeto da equipe econômica, apontada pelo próprio presidente. Não teria sido Paulo Guedes indicado como superministro, recebendo a tal da “carta branca” para atuar na pasta?

O imposto mais elevado sobre os bancos e outras instituições financeiras será em parte repassado a clientes. É bem possível que tenhamos aumentos de taxas e do custo de crédito, contribuindo para elevar o spread bancário (isto é, a diferença entre o que os bancos cobram de devedores e o que remuneram seus depositantes). A medida joga contra o importante projeto do Banco Central de reduzir o spread, com iniciativas para ampliar a competição e a eficiência do sistema.

Pode-se dizer o mesmo sobre a proposta de reforma tributária, encampada pelo Ministério da Economia, que previa unificação e simplificação de tributos, o que envolveria a adoção de alíquotas bem mais homogêneas entre produtos. A iniciativa de Bolsonaro vai no sentido contrário, ao zerar alíquotas de produtos específicos.

E, em especial no caso do diesel, as ações do presidente contrariam preceitos da teoria econômica, segundo a qual produtos que envolvem externalidades negativas devem ser mais agressivamente taxados do que os demais. É o caso de combustíveis fósseis, que estão associados a maior poluição.

Bolsonaro promete que a mudança é temporária. Mas, depois de dois meses, quando a redução expirar, o que garante que o presidente não cederá novamente à pressão de categorias como a dos caminhoneiros para prorrogar a alteração?

As ações recentes do presidente também conflitam com as promessas da equipe econômica de gestão profissional nas estatais e desestatização, haja vista a recente intervenção do executivo no comando da Petrobras.

Na verdade, tudo isso revela uma completa falta de rumo no comando do país. A promessa de “carta branca” ao ministro Guedes não vale absolutamente nada. Guedes é cada vez mais uma figura apagada em um governo caótico.  

COLUNA PUBLICADA NA FOLHA DE SÃO PAULO

Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.



Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!





Nau à deriva

Bolsonaro resolveu zerar os impostos federais sobre o diesel e o gás de cozinha. Pelo menos algo de bom saiu desse episódio: as instituições fiscais impuseram a restrição orçamentária, evitando que o populismo fosse financiado à custa das gerações futuras. A Lei de Responsabilidade Fiscal obrigou o executivo a encontrar outras fontes de financiamento, o que será feito em parte com o aumento de impostos sobre o setor financeiro.

Talvez esse seja o único aspecto positivo de tudo isso. Na verdade, as ações do governo são, em larga medida, incompatíveis com o projeto da equipe econômica, apontada pelo próprio presidente. Não teria sido Paulo Guedes indicado como superministro, recebendo a tal da “carta branca” para atuar na pasta?

O imposto mais elevado sobre os bancos e outras instituições financeiras será em parte repassado a clientes. É bem possível que tenhamos aumentos de taxas e do custo de crédito, contribuindo para elevar o spread bancário (isto é, a diferença entre o que os bancos cobram de devedores e o que remuneram seus depositantes). A medida joga contra o importante projeto do Banco Central de reduzir o spread, com iniciativas para ampliar a competição e a eficiência do sistema.

Pode-se dizer o mesmo sobre a proposta de reforma tributária, encampada pelo Ministério da Economia, que previa unificação e simplificação de tributos, o que envolveria a adoção de alíquotas bem mais homogêneas entre produtos. A iniciativa de Bolsonaro vai no sentido contrário, ao zerar alíquotas de produtos específicos.

E, em especial no caso do diesel, as ações do presidente contrariam preceitos da teoria econômica, segundo a qual produtos que envolvem externalidades negativas devem ser mais agressivamente taxados do que os demais. É o caso de combustíveis fósseis, que estão associados a maior poluição.

Bolsonaro promete que a mudança é temporária. Mas, depois de dois meses, quando a redução expirar, o que garante que o presidente não cederá novamente à pressão de categorias como a dos caminhoneiros para prorrogar a alteração?

As ações recentes do presidente também conflitam com as promessas da equipe econômica de gestão profissional nas estatais e desestatização, haja vista a recente intervenção do executivo no comando da Petrobras.

Na verdade, tudo isso revela uma completa falta de rumo no comando do país. A promessa de “carta branca” ao ministro Guedes não vale absolutamente nada. Guedes é cada vez mais uma figura apagada em um governo caótico.  

COLUNA PUBLICADA NA FOLHA DE SÃO PAULO

Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Avalie esse texto Não é necessário cadastro

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
Impostos causam inflação?

Impostos causam inflação?

Por que e como descarbonizar a economia

Por que e como descarbonizar a economia

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.