Uma plataforma que vai te ajudar a entender um pouco mais de economia.



Como se sabe, o Comitê de Política Monetária (Copom) na última semana cortou a Selic em um ponto percentual, levando os juros básicos ao ano da altura dos 11,25% para a dos 10,25%. Foi um corte menor que o esperado pelo mercado financeiro. Semanas antes de o escândalo envolvendo a JBS estourar no colo da Presidência, cresciam as expectativas por uma redução de até 1,5 ponto porcentual.

Um panorama político cheio de solavancos – caso da perspectiva de mais uma mudança na Presidência – leva a maior pessimismo sobre a aprovação de reformas, como a da Previdência. Sem ajustes do tipo, a capacidade de o Estado brasileiro honrar suas obrigações se torna mais incerta; e, consequentemente, investidores cobram mais para financiar o governo e a nossa moeda perde valor, corroída pela inflação.

A obrigação do Copom é controlar os juros (política monetária) de modo que levem a inflação à meta de 4,5% ao ano. Mas se a crise política causar a perda de valor do real, ficará mais difícil atingir esse objetivo em 2018.

A dosagem de redução de juros deve ser recalibrada daqui em diante. Teremos sim juros mais baixos, mas não tanto quanto poderíamos ter. Ou seja, menor estímulo à economia e mais tempo com desemprego alto.

De onde menos esperamos algo de bom, daí que nada de bom vem.

Brasília raramente nos surpreende.

 

Por que a crise política faz a Selic cair menos?

Como se sabe, o Comitê de Política Monetária (Copom) na última semana cortou a Selic em um ponto percentual, levando os juros básicos ao ano da altura dos 11,25% para a dos 10,25%. Foi um corte menor que o esperado pelo mercado financeiro. Semanas antes de o escândalo envolvendo a JBS estourar no colo da Presidência, cresciam as expectativas por uma redução de até 1,5 ponto porcentual. Um panorama político cheio de solavancos – caso da perspectiva de mais uma mudança na Presidência – leva a maior pessimismo sobre a aprovação de reformas, como a da Previdência. Sem ajustes do tipo, a capacidade de o Estado brasileiro honrar suas obrigações se torna mais incerta; e, consequentemente, investidores cobram mais para financiar o governo e a nossa moeda perde valor, corroída pela inflação. A obrigação do Copom é controlar os juros (política monetária) de modo que levem a inflação à meta de 4,5% ao ano. Mas se a crise política causar a perda de valor do real, ficará mais difícil atingir esse objetivo em 2018. A dosagem de redução de juros deve ser recalibrada daqui em diante. Teremos sim juros mais baixos, mas não tanto quanto poderíamos ter. Ou seja, menor estímulo à economia e mais tempo com desemprego alto. De onde menos esperamos algo de bom, daí que nada de bom vem. Brasília raramente nos surpreende.  
Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Avalie esse texto Não é necessário cadastro

A plataforma Por Quê?Economês em bom português nasceu em 2015, com o objetivo de explicar conceitos básicos de economia e tornar o noticiário econômico acessível ao público não especializado. Acreditamos que o raciocínio econômico é essencial para a compreensão da realidade que nos cerca.

Iniciativa

Bei editora

Realização

Bei Educação
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.