Semana passada, o governador de São Paulo, João Dória, atirou seu primeiro míssil na guerra fiscal entre os estados brasileiros ao oferecer um desconto no imposto sobre a circulação de mercadorias e serviços (ICMS) para a indústria automobilística.

A lógica da guerra fiscal entre os estados é competir pelos melhores incentivos para que indústrias localizem suas fábricas. Impostos baixos são em geral algo positivo, mas existem vários problemas na guerra fiscal.

As primeiras vítimas da guerra fiscal são os próprios estados que dela participam. Quando um estado grande como São Paulo oferece impostos mais baixos com o intuito de atrair mais indústrias, outros estados são forçados a oferecer vantagens semelhantes ou maiores. O resultado final é que nenhum estado consegue de fato obter ganhos significativos em termos de atrair indústrias, mas todos os estados perdem arrecadação.

Quando os estados perdem arrecadação, duas respostas são esperadas: a qualidade dos serviços públicos vai cair ou a queda do ICMS vai se tornar aumento em outros impostos.

Mas a política iniciada pelo estado de São Paulo tem um custo adicional. O desconto no ICMS não afeta todas as atividades econômicas, mas apenas setores escolhidos, como a indústria automobilística. O agrado às multinacionais fabricantes de veículos pode ser explicado pela grande capacidade de lobby deste setor e pela constante necessidade de extrair incentivos dos governos de plantão: competir com importados ou em mercados externos não é seu forte.

A indústria automobilística é improdutiva e não gera riquezas suficientes para justificar sua existência em seu tamanho atual. Portanto, quando executivos dessa indústria ameaçam fechar as portas, a ameaça é crível e a chantagem bem-sucedida. Para “defender os empregos”, o governo decide isentar um bilhão aqui, outro bilhão acolá e o único resultado concreto é a sobrevivência inalterada de um setor que deveria, na verdade, se reestruturar.

Então, eis o resumo da ópera: estados brasileiros distribuem favores a empresas competitivas apenas em fazer lobby; a qualidade dos serviços públicos cai (aquela biblioteca no seu bairro nunca vai ser construída, nem a estrada vicinal que traria grande bem-estar para a população rural longe de escolas e hospitais) e os setores que, de fato, são competitivos e não precisam de ajuda governamental pagam o pato.

 

Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?, clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter! Inscreva-se no nosso canal no YouTube! E curta as nossas fotos no Instagram :)

Por que a guerra fiscal é prejudicial?

Semana passada, o governador de São Paulo, João Dória, atirou seu primeiro míssil na guerra fiscal entre os estados brasileiros ao oferecer um desconto no imposto sobre a circulação de mercadorias e serviços (ICMS) para a indústria automobilística. A lógica da guerra fiscal entre os estados é competir pelos melhores incentivos para que indústrias localizem suas fábricas. Impostos baixos são em geral algo positivo, mas existem vários problemas na guerra fiscal. As primeiras vítimas da guerra fiscal são os próprios estados que dela participam. Quando um estado grande como São Paulo oferece impostos mais baixos com o intuito de atrair mais indústrias, outros estados são forçados a oferecer vantagens semelhantes ou maiores. O resultado final é que nenhum estado consegue de fato obter ganhos significativos em termos de atrair indústrias, mas todos os estados perdem arrecadação. Quando os estados perdem arrecadação, duas respostas são esperadas: a qualidade dos serviços públicos vai cair ou a queda do ICMS vai se tornar aumento em outros impostos. Mas a política iniciada pelo estado de São Paulo tem um custo adicional. O desconto no ICMS não afeta todas as atividades econômicas, mas apenas setores escolhidos, como a indústria automobilística. O agrado às multinacionais fabricantes de veículos pode ser explicado pela grande capacidade de lobby deste setor e pela constante necessidade de extrair incentivos dos governos de plantão: competir com importados ou em mercados externos não é seu forte. A indústria automobilística é improdutiva e não gera riquezas suficientes para justificar sua existência em seu tamanho atual. Portanto, quando executivos dessa indústria ameaçam fechar as portas, a ameaça é crível e a chantagem bem-sucedida. Para “defender os empregos”, o governo decide isentar um bilhão aqui, outro bilhão acolá e o único resultado concreto é a sobrevivência inalterada de um setor que deveria, na verdade, se reestruturar. Então, eis o resumo da ópera: estados brasileiros distribuem favores a empresas competitivas apenas em fazer lobby; a qualidade dos serviços públicos cai (aquela biblioteca no seu bairro nunca vai ser construída, nem a estrada vicinal que traria grande bem-estar para a população rural longe de escolas e hospitais) e os setores que, de fato, são competitivos e não precisam de ajuda governamental pagam o pato.   Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?, clique aqui e assine a nossa Newsletter.
Siga a gente no Facebook e Twitter! Inscreva-se no nosso canal no YouTube! E curta as nossas fotos no Instagram :)


Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Tags do post:

guerra fiscal
Avalie esse texto Não é necessário cadastro

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
A inflação de hoje não pode contaminar os próximos anos

A inflação de hoje não pode contaminar os próximos anos

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.