Uma plataforma que vai te ajudar a entender um pouco mais de economia.



O desempenho excepcional da criançada nas escolas públicas do estado do Ceará, em particular do município de Sobral, foi o grande destaque do Índice de Desempenho da Educação Básica (IDEB) deste ano – publicado recentemente.

A nota no IDEB consiste de dois componentes: (1) o desempenho médio dos alunos na Prova Brasil e (2) o tempo que eles levam, em média, para completar cada série.

Quanto mais os alunos repetem de ano, mais é descontado das notas médias. Ou seja, esse método de avaliação penaliza sistemas educacionais ineficientes.

Portanto, ainda que escolas cearenses tivessem as médias mais altas na Prova Brasil (alguns estados de Sul e Sudeste estão à frente), não seria essa a razão de tamanho sucesso.

Por que então as escolas do Ceará são tão eficientes assim?

Porque seus alunos precisam passar menos tempo em cada série para sair da escola sabendo.

Mas como assim? Sobral, um município de um estado relativamente pobre como o Ceará, é referência em educação no Brasil? Alguma mágica cearense? Ou esse o sucesso resulta de mais recursos públicos, de salários bem altos, de instalações caríssimas?

Não. Certamente não foi por gastar mais que o Ceará despontou. Esse ainda é um estado pobre. Seus municípios gastam apenas uma fração daquilo que cidades mais ricas de Sul e Sudeste investem no setor.

Mas também não foi mágica.

O segredo de Sobral e do Ceará é: o dinheiro que chega é usado eficientemente, dentro de uma estratégia educacional coerente; os municípios, encarregados de tocar as escolas fundamentais, são incentivados monetariamente para entregar resultados.

A Secretaria de Educação estadual é encarregada de distribuir material escolar e treinar os professores nas melhores técnicas de alfabetização; inspetores escolares visitam as escolas para acompanhar o progresso da implementação do programa; e – talvez o mais importante – o governo estadual premia com grana aqueles municípios de melhor desempenho em testes de alfabetização.

Fica a lição: com boa administração, mais pode ser feito com menos.

Falta de recursos não é muleta ou desculpa.

Que os outros estados aprendam com a experiência cearense.

Por que dinheiro não basta em educação? A "mágica" de Sobral

O desempenho excepcional da criançada nas escolas públicas do estado do Ceará, em particular do município de Sobral, foi o grande destaque do Índice de Desempenho da Educação Básica (IDEB) deste ano – publicado recentemente. A nota no IDEB consiste de dois componentes: (1) o desempenho médio dos alunos na Prova Brasil e (2) o tempo que eles levam, em média, para completar cada série. Quanto mais os alunos repetem de ano, mais é descontado das notas médias. Ou seja, esse método de avaliação penaliza sistemas educacionais ineficientes. Portanto, ainda que escolas cearenses tivessem as médias mais altas na Prova Brasil (alguns estados de Sul e Sudeste estão à frente), não seria essa a razão de tamanho sucesso. Por que então as escolas do Ceará são tão eficientes assim? Porque seus alunos precisam passar menos tempo em cada série para sair da escola sabendo. Mas como assim? Sobral, um município de um estado relativamente pobre como o Ceará, é referência em educação no Brasil? Alguma mágica cearense? Ou esse o sucesso resulta de mais recursos públicos, de salários bem altos, de instalações caríssimas? Não. Certamente não foi por gastar mais que o Ceará despontou. Esse ainda é um estado pobre. Seus municípios gastam apenas uma fração daquilo que cidades mais ricas de Sul e Sudeste investem no setor. Mas também não foi mágica. O segredo de Sobral e do Ceará é: o dinheiro que chega é usado eficientemente, dentro de uma estratégia educacional coerente; os municípios, encarregados de tocar as escolas fundamentais, são incentivados monetariamente para entregar resultados. A Secretaria de Educação estadual é encarregada de distribuir material escolar e treinar os professores nas melhores técnicas de alfabetização; inspetores escolares visitam as escolas para acompanhar o progresso da implementação do programa; e – talvez o mais importante – o governo estadual premia com grana aqueles municípios de melhor desempenho em testes de alfabetização. Fica a lição: com boa administração, mais pode ser feito com menos. Falta de recursos não é muleta ou desculpa. Que os outros estados aprendam com a experiência cearense.
Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Avalie esse texto Não é necessário cadastro

A plataforma Por Quê?Economês em bom português nasceu em 2015, com o objetivo de explicar conceitos básicos de economia e tornar o noticiário econômico acessível ao público não especializado. Acreditamos que o raciocínio econômico é essencial para a compreensão da realidade que nos cerca.

Iniciativa

Bei editora

Realização

Bei Educação
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.