Demorou, mas o que já vinha sendo anunciado há mais de uma semana, agora, é oficial: o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciou corte de gastos e elevação de impostos.

Nada de realmente novo ou excepcional. Objetivo do governo: chegar perto de um déficit de R$ 139 bilhões. Déficit! Sim, o contrário de superávit, um saldo negativo no caixa. Mas, pelas contas do pessoal da Fazenda, o número projetado para 2017 está mais perto de R$ 200 bilhões de déficit (a recessão atrapalha muito na arrecadação).

– Quanto o governo quer poupar mais com as medidas?

Perto de R$ 60 bilhões.

– Como isso se divide entre o aumento de imposto e a contenção de emendas parlamentares?

Uns R$ 45 bilhões de congelamento nas emendas e uns 15 bilhões em aumento de impostos. Ou seja, o ajuste é menos doloroso para o setor privado do que pode inicialmente parecer.

O aumento na arrecadação virá de maior Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e da reversão das chamadas desonerações fiscal, que são descontos nos impostos. Durante o governo Dilma, caíram os tributos sobre a folha de trabalho, o que não ajudou a economia.

A ironia é que essa queda se deu num momento de desemprego baixíssimo. E, agora, justamente quando o desemprego está alto, com cerca de 13 milhões de brasileiros sem trabalho, precisamos voltar atrás. Os deuses sempre punindo nossa irrefreável húbris.

Por que o governo vai subir impostos?

Demorou, mas o que já vinha sendo anunciado há mais de uma semana, agora, é oficial: o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciou corte de gastos e elevação de impostos. Nada de realmente novo ou excepcional. Objetivo do governo: chegar perto de um déficit de R$ 139 bilhões. Déficit! Sim, o contrário de superávit, um saldo negativo no caixa. Mas, pelas contas do pessoal da Fazenda, o número projetado para 2017 está mais perto de R$ 200 bilhões de déficit (a recessão atrapalha muito na arrecadação). – Quanto o governo quer poupar mais com as medidas? Perto de R$ 60 bilhões. – Como isso se divide entre o aumento de imposto e a contenção de emendas parlamentares? Uns R$ 45 bilhões de congelamento nas emendas e uns 15 bilhões em aumento de impostos. Ou seja, o ajuste é menos doloroso para o setor privado do que pode inicialmente parecer. O aumento na arrecadação virá de maior Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e da reversão das chamadas desonerações fiscal, que são descontos nos impostos. Durante o governo Dilma, caíram os tributos sobre a folha de trabalho, o que não ajudou a economia. A ironia é que essa queda se deu num momento de desemprego baixíssimo. E, agora, justamente quando o desemprego está alto, com cerca de 13 milhões de brasileiros sem trabalho, precisamos voltar atrás. Os deuses sempre punindo nossa irrefreável húbris.
Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Avalie esse texto Não é necessário cadastro

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
Feliz Ano Velho

Feliz Ano Velho

A economia em “Round 6”

A economia em “Round 6”

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.