O que acontece se pedimos um desconto para o seu Antônio da venda da esquina, prometendo pagar mais caro no futuro?

Temos de pagar mais caro depois.

Foi o que nosso governo fez em 2012.

Era o tempo do otimismo dos tolos. Gastaríamos a rodo por conta das riquezas fantásticas do pré-sal e até um trem-bala entre Campinas e Rio de Janeiro seria construído. E como tínhamos virado, por uma tolice das agências de classificação de risco, um país com grau de investimento, poderíamos mandar o Banco Central baixar os juros na marra enquanto o governo gastava as burras.

O resultado – como bem ensina a macroeconomia do manual – foram pressões inflacionárias. Para estancar tais pressões, o governo foi à venda do seu Antônio e conseguiu um desconto na conta de luz a ser pago no futuro.

Foi uma beleza. O preço da eletricidade caiu 20% em 2012 a despeito dos reservatórios das hidrelétricas estarem em baixa. E continuou a cair em 2013, assim como o nível desses reservatórios. Quando falta água nos reservatórios, temos de usar a energia termelétrica, que é mais cara.

Durante esse período de farra otimista, tola, gulosa e vadia, o governo assumiu em nosso nome uma pendura de R$ 62,2 bilhões com as empresas transmissoras de energia. Como sabemos, os governantes se foram, mas a conta ficou.

E hoje, que estamos mais pobres e desempregados do que nos anos dos excessos otimistas, temos de pagar a conta. O reajuste médio da eletricidade para o consumidor deve ser de mais de 7% em 2017 – bem acima da inflação esperada no ano.

Por que sua conta de luz vai ficar mais cara?

O que acontece se pedimos um desconto para o seu Antônio da venda da esquina, prometendo pagar mais caro no futuro? Temos de pagar mais caro depois. Foi o que nosso governo fez em 2012. Era o tempo do otimismo dos tolos. Gastaríamos a rodo por conta das riquezas fantásticas do pré-sal e até um trem-bala entre Campinas e Rio de Janeiro seria construído. E como tínhamos virado, por uma tolice das agências de classificação de risco, um país com grau de investimento, poderíamos mandar o Banco Central baixar os juros na marra enquanto o governo gastava as burras. O resultado – como bem ensina a macroeconomia do manual – foram pressões inflacionárias. Para estancar tais pressões, o governo foi à venda do seu Antônio e conseguiu um desconto na conta de luz a ser pago no futuro. Foi uma beleza. O preço da eletricidade caiu 20% em 2012 a despeito dos reservatórios das hidrelétricas estarem em baixa. E continuou a cair em 2013, assim como o nível desses reservatórios. Quando falta água nos reservatórios, temos de usar a energia termelétrica, que é mais cara. Durante esse período de farra otimista, tola, gulosa e vadia, o governo assumiu em nosso nome uma pendura de R$ 62,2 bilhões com as empresas transmissoras de energia. Como sabemos, os governantes se foram, mas a conta ficou. E hoje, que estamos mais pobres e desempregados do que nos anos dos excessos otimistas, temos de pagar a conta. O reajuste médio da eletricidade para o consumidor deve ser de mais de 7% em 2017 – bem acima da inflação esperada no ano.
Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Avalie esse texto Não é necessário cadastro

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
FMI aponta perdas permanentes de PIB com a pandemia

FMI aponta perdas permanentes de PIB com a pandemia

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.