Como os gastos do governo entram no PIB?

Como já dissemos, os gastos públicos com saúde, educação, segurança, etc., são contabilizados no PIB. Eles têm como contrapartida a geração de um bem ou serviço. Por exemplo, o salário de um professor da rede pública faz parte do PIB por estar resultando num serviço: ensinar aos alunos.

Por outro lado, transferências – como aposentadorias e Bolsa Família – não fazem parte do PIB.

Por quê?

Por não estarem associadas à geração de um bem ou serviço. O dinheiro está apenas trocando de mãos. No caso das pensões, o governo tira das pessoas em idade ativa e transfere para os aposentados. No Bolsa Família, a transferência é da sociedade (feita com a cobrança de impostos) em geral para os beneficiários do programa.

Mas preste atenção: os salários dos funcionários trabalhando no INSS fazem, sim, parte do PIB.

E por quê?

Porque eles prestam um serviço.

E a grana que sai dos trabalhadores e vai para os aposentados, entra no PIB?

Se você disse “não”, acertou. Assim como no caso do programa Bolsa Família, trata-se de um dinheiro que sai de um bolso para o outro.

Outro exemplo de transferência: pagamento dos juros da dívida pública. Neste caso, o dinheiro vai da sociedade como um todo (de novo via taxação) para os detentores dos títulos públicos (ou seja, aqueles que emprestaram dinheiro para o governo no passado).

De novo, não há nenhum bem ou serviço sendo gerado como contrapartida desses recursos, os quais, portanto, não entram na conta do PIB.

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações clique aqui.