Mais um sábado à noite e, novamente, sou o motorista de meu filho adolescente. Desta vez ele vai jantar num restaurante indiano descolado, num confim desconhecido da metrópole – um daqueles endereços que só com o Waze são encontrados.

Ele desce do carro. Encontra os amigos e cá estou, fazendo hora para pegá-lo; penso em aproveitar para ler artigos sobre a alavancagem dos bancos de investimento – por cinco minutos, pelo menos...

Como não quero perder a vaga na rua, desço do carro e procuro um restaurante ou café para sentar e ver o tempo passar.

De um lado da rua, há um restaurante italiano, com a fachada pintada com as cores do Palestra Itália. Vazio.  Do outro lado, uma padaria/restaurante ainda mais descolada que o restaurante indiano onde deixei o adolescente. Uma fila longa.

A escolha entre os dois é fácil.

Entro na fila. Junto-me à manada. Como não tenho informação sobre a qualidade dos restaurantes, sigo a decisão dos outros clientes: o lugar com as filas mais longas é provavelmente o melhor!

Este é um comportamento comum entre consumidores. Não temos tempo ou capacidade de inferir a qualidade de tudo que compramos. Então vemos no comprimento das filas um sinal da qualidade dos estabelecimentos.

Valeu a pena.

Sim, tive de esperar na fila. Para evitar o assédio dos leitores desse blog, me escondi atrás um artigo sobre intermediação financeira e amarrei a cara. Mas quando chegou a minha vez... sentei-me ao balcão e me deleitei.

 

Por que nos comportamos como manada?

Mais um sábado à noite e, novamente, sou o motorista de meu filho adolescente. Desta vez ele vai jantar num restaurante indiano descolado, num confim desconhecido da metrópole – um daqueles endereços que só com o Waze são encontrados. Ele desce do carro. Encontra os amigos e cá estou, fazendo hora para pegá-lo; penso em aproveitar para ler artigos sobre a alavancagem dos bancos de investimento – por cinco minutos, pelo menos... Como não quero perder a vaga na rua, desço do carro e procuro um restaurante ou café para sentar e ver o tempo passar. De um lado da rua, há um restaurante italiano, com a fachada pintada com as cores do Palestra Itália. Vazio.  Do outro lado, uma padaria/restaurante ainda mais descolada que o restaurante indiano onde deixei o adolescente. Uma fila longa. A escolha entre os dois é fácil. Entro na fila. Junto-me à manada. Como não tenho informação sobre a qualidade dos restaurantes, sigo a decisão dos outros clientes: o lugar com as filas mais longas é provavelmente o melhor! Este é um comportamento comum entre consumidores. Não temos tempo ou capacidade de inferir a qualidade de tudo que compramos. Então vemos no comprimento das filas um sinal da qualidade dos estabelecimentos. Valeu a pena. Sim, tive de esperar na fila. Para evitar o assédio dos leitores desse blog, me escondi atrás um artigo sobre intermediação financeira e amarrei a cara. Mas quando chegou a minha vez... sentei-me ao balcão e me deleitei.  
Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
Curta as nossas fotos no Instagram!

O que você achou desse texto?

*Não é necessário cadastro.

Avaliação de quem leu:

Avalie esse texto Não é necessário cadastro

BLOG

Faça nosso teste e saiba como está sua saúde financeira!

QUERO FAZER O TESTE
O problema das externalidades e o imposto

O problema das externalidades e o imposto

Feliz Ano Velho

Feliz Ano Velho

Realização

Bei editora

Apoio

CP+B
Usamos cookies por vários motivos, como manter o site do PQ? confiável ​​e seguro, personalizar conteúdo e anúncios,
fornecer recursos de mídia social e analisar como o site é usado. Para maiores informações veja nossa Política de Privacidade.